in ,

O negão cacetudo do banheiro

Olá, eu vou contar um relato que aconteceu quando eu era noiva

O negão cacetudo do banheiro. Olá, eu vou contar um relato que aconteceu quando eu era noiva. Sou evangélica, já tinha chupado algumas varas mas guardava minha virgindade pra quando eu casasse.

Uma vizinha minha hospedou um amigo em casa, eu como sempre entrava a vontade na casa dela um dia sem querer flagrei esse cara pelado saindo do banheiro com a benga de fora. Fiquei impactada com o tamanho do caralho dele, fui pra casa com um misto de tesão e vergonha e entrei no banheiro pra tocar uma siririca pensando nele. Eu sendo religiosa me senti uma pecadora e tava me tornando uma vagabunda.

O nome do negão era Adriano, ele era grande, forte e tinha uma cara de safado, além de ter um cacete enorme que não saia da minha cabeça. Mulher quando quer dar a buceta sabe como é né? faz de tudo e eu saia de casa com uma calcinha fio dental e um shortinho bem pequeno pra deixar ele doido.

Eu fui até a casa da Aline minha amiga já sabendo que ela estaria no trabalho e acabei flagrando aquele negão gostoso no banheiro mais uma vez, mas dessa vez fui cara de pau e disse que precisava mijar, ele se surpreendeu mas não falou nada e continuou o banho. Eu não tirava o olho daquele cacete, minha buceta tava bem molhadinha e ele de repente falou:

– Eu já sabia que você tava doidinha por uma rola, por isso veio aqui com esse shortinho de piranha. – Ele disse e eu não falei nada, só levantei e peguei no cacete gostoso dele e comecei a tocar uma punheta enquanto ele alisava meus cabelos e metia aquela pica na minha boca.

Tava louca pra provar aquele pau

Comecei a chupar bem gostoso, ele puxou meus cabelos e começou a tocar meus seios com a mão que tava livre. Fui ao delírio, tava louca de prazer querendo dar pra ele. Ele disse que ia me comer todinha e na hora gelei, afinal tava guardando minha virgindade para o meu noivo, então eu disse que a gente teria que tentar no cuzinho, mesmo o meu sendo virgem e eu sabendo que ia doer.

O Adriano virou minha bundinha, eu fiquei com as mãos apoiadas no vaso e ele começou a encostar o seu pauzão na entrada do meu cuzinho, mas na hora eu arreguei e disse que nunca tinha dado, que era melhor a gente ficar só no boquete, mas o safado disse que tava louco pra me comer e que seu pau tava latejando de tanta vontade de me sentir.

Ele começou a enfiar um dedo, eu senti doer mas depois de uns minutos ele brincando com meu cuzinho e falando sacanagem, eu fui relaxando mais, aí ele soube que era hora de tentar enfiar aquela pica enorme. Quando ele botou só a cabecinha as lágrimas desceram, parecia que ele tava rasgando meu cu, eu pedi pra ele parar mas ele disse que se a gente parasse naquela hora eu não ia conseguir mais.

Ele então deixou sua pica um tempo lá dentro sem bombar e começou a acariciar meu rabo, me chamar de gostosa e outras coisas que foram me deixando com mais tesão. Depois ele começou a meter devagar, eu gritei mas deixei, eu tava com tanta dor que meu cu chegou a ficar anestesiado e ele fudeu a vontade minha bundinha.

O negão cacetudo

Eu comecei a me soltar e falar:
– Vai negão gostoso, fode o cu da sua putinha, quero sentir esse pauzão gostoso me arrombando todinha, meu cuzinho é todo seu.
E quando eu falava isso ele ficava mais louco de tesão e metia com mais força.

Ele depois me colocou mais de quatro pra ter mais acesso ao meu rabo e me comeu como se eu fosse uma vagabunda e foi assim que ele me tratou. Depois de um tempo me comendo ele deu uma gozada gostosa no meu rabinho que eu fiquei botando todo seu leite de macho pra fora enquanto meu cu piscava.

Essa foi a melhor trepada da minha vida, depois casei e meu marido acredita que foi o primeiro e que eu sou uma santa, mas a verdade é que depois do Adriano eu fiquei viciada em pau de negão.

PUBLICIDADE

Escrito por Porn Team

Somos o melhor portal para contos eróticos e fatos reais no Brasil.

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Carregando…

Comentários

Comentários

Traindo meu marido

Traindo meu marido com o diretor

Ainda virgem

Ainda virgem