in ,

Namorada virgem

Ela veio me visitar na minha casa de praia, nas férias de verão. Estávamos sozinhos.

Ela veio me visitar na minha casa de praia, nas férias de verão. Estávamos sozinhos.

Até então já tinhamos feito muita coisa juntos, mas ela disse que queria esperar mais para transar e eu não insistia. Nós dois éramos virgens.

Era de madrugada e ela devia ter ido ao banheiro, ou tomar água e me deixou dormindo na cama… Eu estava dormindo virado de barriga para cima, como costumo dormir quando fico sozinho.  Então ela chegou, de calcinha e camiseta, sem sutiã.

Gatinhou sobre minha cama e ficou em cima de mim, sem me acordar. Então engueu a camiseta, o suficiente para deixar um seio à mostra, e roçou a pontinha dele na minha boca. Eu acordei e, sem precisar pensar, comecei a chupar seu peito enquanto passei os braços pela sua cintura e trouxe-a mais perto, em um aperto forte, fazendo ela sentar sobre meu peito nu e tirei sua camiseta.

Fiquei alguns minutos beijando, chupando e mordendo aqueles seios maravilhosos, enquanto apertava ela forte contra meu peito e ouvia ela dar pequenos gemidos de prazer. Empurrei seu quadril, fazendo-o deslizar mais pra baixo e, com a boca, alcancei seus lábios.

Ela me beijava de um jeito tão gostoso que me deixou morrendo de tesão. Com as mãos, fui lhe fazendo carinho, ao mesmo tempo suave e firme.

Então, aos poucos, fui deslizando meus dedos em direção à sua calcinha (percebi que ela estava toda molhada, será que isso era um sinal amarelo ou verde? De qualquer forma, eu queria avançar) e fui puxando sua calcinha para baixo. Ela percebeu minhas intenções e me ajudou a tirá-la. Tirei a minha cueca também, puxando junto com o shorts que dormi.

Ela voltou pra cima de mim, e começou a me beijar (adoro quando ela toma a iniciativa). Então, dando a primeira palavra desde que tudo isso começou, eu perguntei pra ela: “meu amor… Você também quer o que eu quero?”. Ela, me olhando de cima, deu um sorriso (aquele sorriso lindo que só ela sabe dar) e, um pouco envergonhada, concordou com a cabeça.

Namorada virgem

Detalhe que eu estava sem camisinha, já que ela tomava anticoncepcional para evitar as cólicas fortes que costumava sentir.

Ela, que estava por cima, se ergueu um pouco e segurou meu pênis, ajeitando ele no lugar certo, e só com a pontinha lá dentro começou a movimentar o quadril bem de vagar.

Puxei ela pra perto, fazendo-a deitar no meu peito, e continuei com aquilo… só com a pontinha e estava muito bom, para nós dois.

Eu, um pouco inseguro, perguntei se podia colocar mais fundo. Ela demorou um pouco e depois disse que sim. Eu percebi que ela estava com um pouco de medo e eu também tinha medo de machucá-la, então parei.

Ela falou que era o que ela queria e que sabia que eu seria cuidadoso.

Então, tentando ser firme, eu fiz.

Ela fechou os olhos e me apertou.

Eu sabia que devia esperar um pouco, até ela dizer algo.

Ela me olhou e me beijou, e voltou a mexer o quadril. Eu acompanhei o movimento.

Estava bom e ela parecia estar gostando também, como se a tensão do que acabara de acontecer nem tivesse existido.

Como eu esperava, sentia que não ia aguentar muito tempo. Estava muito excitado e estava prestes a explodir.

Mas algo aconteceu que eu não estava esperando. Quando eu sabia que não ia mais conseguir segurar, ela desabou… E tivemos um orgasmo juntos!!

Depois daquilo, ficamos imóveis. Não tinha vontade de se mexer e não conseguia ver razão pra sair dali…

Era tão bom ficar abraçado com ela, deixando o tempo passar. Amando e sentindo que também era amado.

Depois disso, acabamos dormindo… ainda com meu pênis dentro dela.

PUBLICIDADE

Escrito por Porn Team

Somos o melhor portal para contos eróticos e fatos reais no Brasil.

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Carregando…

Comentários

Comentários

Transando com sobrinho e tio juntos

Minha primeira vez com prazer

Minha primeira vez com prazer